Eu passei na seleção e fiquei muito feliz, isso indica que estou no caminho, mas ainda não estou no tempo.

Deixei o meu emprego no final do ano e com isso estou fazendo um trajeto de muitas discussões internas e muitas descobertas sobre o que sou, como estou, como sou, o que eu faço e como faço. Com certeza o meu caminho nos guerreiros sem armas seriam parte fundamental nessa minha jornada, mas como estou na busca do que é trabalho e qual seria, não tenho como me comprometer por um mês.

Sei que precisamos desse e de tempo para crescermos e evoluirmos e com isso estou nessa busca de pequenos projetos, novas propostas, novos caminhos.

Ainda guerreiro, vejo vocês em breve.

Não foi fácil mobilizar no final do ano com as loucuras que estou passando, mas acabei fazendo parte da ação. Veja como foi o início do processo, espero que o logo mais eu possa contar novidades.

Agora precisamos dos próximos capítulos…

Pensei em várias ações e também nas possibilidades, mas realmente fiquei encucado com o quanto a rua mudou nesse tempo todo que moro lá. Eu gosto do meu bairro, mas já gostei mais. Nós tinha muitas árvores na rua, que serviam de brincadeiras e de coleta, na minha rua tinha árvores de sementes bem legais, uma deles inclusive era um pau Brasil.

Pensei que uma ação seria mostrar aos novos habitantes dessa rua como ela era antes, apresentar as árvores que habitavam as calçadas e para isso pensei em uma ação de sensibilização com carta.

Enviar carta para os moradores com a foto da árvore que existia ali naquela calçada. Junto escrever uma mensagem e quem sabe indicar um possível local de onde retirar mudas e etc.

Acho que pode ser interessante. Imagine…

Vamos colocar um pouco mais perto o texto…

E quem sabe ter mais …

Moro na Zona Norte de São Paulo, no começo da Vila Aurora, meu prédio foi construído há quase trinta anos em cima de uma ilha em um pantano da região.

Minha vista é uma das mais belas, pois acordo olhando para a serra da cantareira.

Essa é a minha rua e até onde me lembro ela não era assim. Veja o que pensei sobre o meu entorno.

Repensar, é pensar como o processo de como chegamos até aqui e quais ações deram certo. Ainda me pergunto porque o comercial e a máxima de feche a torneira enquanto escova os dentes não funcionou? É tão lógica que chega a ferir, mas eu acho que alguma coisa falhou, pois na minha geração são poucos os que realmente fecham a torneira.

Repensar é o ato de escutar e educar, provocar, sendo assim nessa semana ofereci conselhos a todos que pediram ou que estavam realizando alguma ação de hábito ruim (*).

Outro fator do repensar que foi importante foi o de me questionar quanto as ações dos três erres que já realizo e que portanto virou prática banal do dia a dia. Será que estou realmente fazendo a minha parte? Essa pergunta esta em aberto.

(*) habito ruim é aquele que não questionamos, e não percebemos o quanto ele não faz sentido para um mundo saudável.

 

Essa eu aprendi na CONFINT 2010, os jovens ampliaram os 3 erres para 5, o que foi muito interessante. Recusar esta no ato de pedir um mundo melhor, recusar o status atual e também recusar o consumo.

Recusar a aceitar as coisas como são e essa é a fase que estou passando quando estou abrindo janela.

 

Mais do que inventar é o que podemos reinventar. Meu irmão vai sair de casa e passei e me perguntar como será o nosso quarto depois disso, como posso reinventar o meu espaço?

Essa é a minha grande tarefa, como utilizar o que já existe para criar o mesmo espaço, ou seja o quarto, mas com um novo significado?

O plano é manter o beliche, ele é marca registrada, em baixo fazer um sofá, colchão já tem o que falta são almofadas que serão feitas de uns tecidos que tenho de resto de algum tingimento. Meus livros estão ocupando muito espaço e agora passam da prateleira para virar pilhas no chão. Acho que preciso de prateleiras novas, mas realmente acho que é possível fazer algo com o refugo de madeira existente no Ecoponto.

Os brinquedos antigos finalmente terão utilidades, aqueles que sobraram e não foram doados, serão utilizados pelo novo ser da família, meu sobrinho. Motivo pelo qual meu irmão esta se mudando.

Reinventar é rever significados e entendimentos do que esta ali parado. Não pude fazer todo o plano nessa semana, ainda tenho a mudança dele em janeiro, mas tenho certeza que terei fotos assim que possível.

Na minha piração dos três novos erres acabei pensando no momento que estou vivendo. Estou mudando muitas coisas ao meu redor e me mudando assim. Mudando de prática, de trabalho, de  estudo, abrindo janelas. Fiquei pirando na minha viagem e com uma pergunta feita por uma amiga nessa semana. A pergunta era: O que você vai levar na sua mala? E o que você vai deixar por lá?

 

Fiquei pensando o que posso recusar do que vivi até aqui? O que posso repensar do que vivi? O que posso reinventar ao voltar? Quem sabe esse desenho ilustre o que pode ser.

Preciso confessar que a tarefa foi e esta sendo difícil. Pensar nos três Rs não é novo para mim, portanto repensar os três erres é que foi a questão.

Mesmo assim resolvi contar um pouco do processo das ações e o que pude fazer nessa semana.

Reciclar: O processo de recilcagem no prédio que eu moro existe há alguns anos e mesmo antes a separação era feita em casa. O mesmo processo de separar se aplica no escritório de meus pais, onde temos um caixa que junta o material reciclado limpo. Como lá não existe a coleta seletiva trazemos para casa ou quando temos um volume interessante direcionamos para os carrinheiros, catadores de reciclados.

No meu trabalho fiz parte da comissão para implantar ações mais “sustentáveis”. Iniciamos o movimento traga sua caneta e evite o copo descartável. Além de ter separação de lixo reciclado , que é recolhido todas as terças pela manhã. Outra ação é transformar os impressos desnecessários em rascunho e cadernos de anotação. É pouco, mas é bom. Lá ainda mantemos uma relação com os carrinheiros, o ferro velho e o Ecoponto. além disso alguns projetos dos jovens e crianças são desenvolvidos com a temática do lixo e reciclagem, veja esse blog. Aprendiz no 350

Reutilizar: Prática antiga. Passo pelas ruas sempre atento para poder utilizar e reutilizar coisas, por muito tempo parte dos processos criativos saiam por ai. Até tive um ideia ontem observando o Ecoponto da Vila Madalena e a quantidade de madeira descartada. Acho que podemos criar algo bem interessante. Logo conto mais.

Folhas de rascunho e reciclagem sempre. Reutilizar roupas sim, pois faço tingimento, além de verificar se elas servem para doação ou para outro propósito, por exemplo uma colcha de retalhos.

Reduzir: Consumo também é uma prática familiar, utilizo menos água no banho (até 5 minutos), escovar dentes com pouca água, energia somente quando necessário.

Reduzir o consumo de carne é uma prática nova. Desde o começo do ano estou atento ao consumo de carne, sou carnivoro e acho que não vou desistir , no entanto posso reduzir, pelo menos 3 dias sem carne na semana é a meta que tenho hoje.

Prática dessa semana: redução de carbono por viagens. Estou com viagem marcada para o final do ano e resolvi descobrir como posso compensar a produção de carbono. Achei esse site que converte em árvores. Iniciativa verde. Pelas contas preciso plantar, cuidar de 14 árvores. Isso será feito e vai ter relação com o futuro, pode ter certeza.

Como disse fazer isso não foi a tarefa pedida, pois tive que quebrar minhas práticas e entender o que era possível

Passei recentemente por uma experiência incrível de coordenar voluntários internacionais em uma ação conjunta na comunidade ribeira de Tumbira, na RDS Rio Negro – AM.

Estivemos por lá durante três semanas com o objetivo de trabalhar a troca e valorização cultural, a conexão intergeração e a inclusão digital por ferramentas de comunicação.

O projeto foi incrível e vocês podem conhecer mais no site – projeto

Esse é vídeo que mostra um pouco de como foi o rítmo do trabalho

Esse sou eu fazendo uma atividade de fechamento com toda a comunidade.

Assista mais vídeos no canal do youtube

Veja nossas fotos

www.ippamazonia.org.br 

Veja o livro de recordações 

* RDS – reserva de desenvolvimento sustentável